Jack Clayton: Um Realismo Assombrado (4)

10.10.2017


The Pumpkin Eater (Discussão no Quarto, 1964).

Este filme será mostrado amanhã nas Sessões do Carvão, às 21:30.
______________________
“Jack Clayton: Um Realismo Assombrado”: (1) · (2) · (3)

Comentar Twin Peaks: Fire Walk with Me

15.10.2017


Twin Peaks: Fire Walk with Me.

Amanhã, 16 de Outubro, comentarei o filme Twin Peaks: Fire Walk with Me (Twin Peaks: Os Últimos 7 Dias de Laura Palmer, 1992), realizado por David Lynch, às 21:45 na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão. A sessão faz parte do programa Close-up, integrando a secção temática “Histórias do Cinema”. Este programa é o ponto alto da programação do Observatório de Cinema que decorre durante todo o ano. Agradeço ao Vitor Ribeiro o convite que me dirigiu e que aceitei com entusiasmo. Vale a pena conhecer em detalhe o extenso e valioso conjunto de sessões do Close-up aqui.

A Mais Importante das Artes

13.10.2017

Comemora-se este ano os 100 anos da Revolução de Outubro. Nos próximos meses, participarei em diversas iniciativas sobre este acontecimento marcante nos planos social e político, mas também no campo das artes. Esta conferência organizada pelo Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX (CEIS20) é a primeira. A minha comunicação terá o título “A Mais Importante das Artes: A Revolução de Outubro e a Produção Cinematográfica”. Eis o resumo:

O decreto de 27 de Agosto de 1919 de nacionalização da indústria do cinema na Rússia Soviética, assinado por V. I. Lénine como Presidente do Conselho dos Comissários do Povo, foi o primeiro passo num processo de profunda transformação na produção cinematográfica. Tal processo não foi linear nem rápido devido ao subdesenvolvimento industrial e artístico do cinema russo. Tornou-se ainda mais complexo com a criação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) em Dezembro de 1922, porque a importância dada à preservação e desenvolvimento da cultura própria de cada república favoreceu o aparecimento de estruturas como a Vse-Ukrainske Foto Kino Upravlinnia na Ucrânia Soviética e a Goskinprom Gruzii na Geórgia Soviética. Em Fevereiro do mesmo ano, Lénine dizia a Anatóli Lunatcharski, responsável pelas matérias relativas à cultura no primeiro governo soviético, que ‘de todas as artes a mais importante para nós é o cinema’. O foco desta comunicação é o modo como esta ideia foi levada à prática.

Jack Clayton: Um Realismo Assombrado (3)

10.10.2017


The Innocents (Os Inocentes, 1961).

Este filme será mostrado amanhã nas Sessões do Carvão, às 21:30.
______________________
“Jack Clayton: Um Realismo Assombrado”: (1)· (2)

Jack Clayton: Um Realismo Assombrado (2)

04.10.2017


Room at the Top (Um Lugar na Alta Roda, 1959).

Este filme será mostrado hoje nas Sessões do Carvão, às 21:30.
______________________
“Jack Clayton: Um Realismo Assombrado”: (1)

Jack Clayton: Um Realismo Assombrado (1)

26.09.2017


Naples is a Battlefield (1944).


The Bespoke Overcoat (1956).

Estes filmes serão mostrados amanhã nas Sessões do Carvão, às 21:30.

O cineasta britânico Jack Clayton (1921-1995) é responsável por um conjunto de filmes onde o apurado sentido do detalhe anda a par com um olhar imaginativo, que por vezes se abre a elementos fantásticos. A base narrativa do seu realismo assombrado foi construída a partir da adaptação de textos literários (de autores humanistas tão diferentes como Nikolai Gogol, John Braine, Henry James, Harold Pinter, Julian Gloag, F. Scott Fitzgerald, Ray Bradbury, Brian Moore, e Muriel Spark), sem que isso tenha subordinado o seu cinema à palavra. Esta retrospetiva integral permite-nos entender melhor a relação das suas obras com alguns momentos marcantes da história do cinema: da Nova Vaga Britânica dos anos 1950 e 60 ao fim do sistema de estúdios do Cinema Clássico Americano, passando pela aposta da televisão na produção cinematográfica.

Sessões do Carvão: “Jack Clayton: Um Realismo Assombrado”

20.09.2017

27 SET.

21:30   Naples is a Battlefield (1944) | The Bespoke Overcoat (1956), real. Jack Clayton

4 OUT.

21:30   Room at the Top (Um Lugar na Alta Roda, 1959), real. Jack Clayton

11 OUT.

21:30   The Innocents (Os Inocentes, 1961), real. Jack Clayton

18 OUT.

21:30   The Pumpkin Eater (Discussão no Quarto, 1964), real. Jack Clayton

25 OUT.

21:30   Our Mother’s House (Todas as Noites às Nove, 1967), real. Jack Clayton

1 NOV.

21:30   The Great Gatsby (O Grande Gatsby, 1974), real. Jack Clayton

8 NOV.

21:30   Something Wicked This Way Comes (1982), real. Jack Clayton

Comentário de Markus Carpenter (doutorando em Estudos Artísticos)

15 NOV.

21:30   The Lonely Passion of Judith Hearne (A Paixão Solitária de Judith Hearne, 1987), real. Jack Clayton

22 NOV.

21:30   Memento Mori (1992), real. Jack Clayton

Harry Dean Stanton (1926-2017)

16.09.2017


Paris, Texas (1984).

The Magnifying Class #16

14.09.2017


Like Someone in Love.

Another “Magnifying Class” is taking place today at the University of Oxford. Our film criticism research group is discussing Like Someone in Love (2012), directed by the Iranian filmmaker Abbas Kiarostami, in detail.
______________________
“The Magnifying Class”: #3 · #4 · #5 · #6 · #7 · #8 · #10 · #14

Twin Peaks e a Natureza Performativa da Cultura Americana

08.09.2017


Twin Peaks (3.05).

O meu colega Iván Villarmea Álvarez (Universidade de Santiago de Compostela) chamou-me a atenção para uma estimulante conversa que teve com Brais Romero Suárez em torno de Twin Peaks (1990-91 e 2017) para a publicação A Cuarta Parede, com o título “Alén da Black Lodge. Un debate sobre Twin Peaks”. Como pode ser lido aqui, o meu nome é mencionado a propósito do pouco que fui escrevendo no Facebook sobre a nova temporada desta série de televisão. Como diz o Iván:

Ao longo do verán, moitos espectadores comentaban nelas as súas impresións despois de cada episodio. Un amigo meu, Sérgio Dias Branco, escribiu logo do Episodio 5 que esta nova tempada lle parecía o cumio da reflexión que Lynch leva décadas artellando sobre a natureza performativa da cultura americana. Segundo esta interpretación, os americanos serían, por desgraza, pouco máis que o que tentan parecer. Por iso, tódolos personaxes cos que se atopa Dougie toleran a súa actitude catatónica, e por iso Dougie consegue comunicarse mediante a repetición de frases e palabras soltas.